(11) 2205-6270 ou (11) 2532-8182 pns.carmo@terra.com.br

PE. PAULO

Sergio Bezerra

40 anos de missão

Quarenta anos de missão é um livro para cele­brar os caminhos trilhados por Pe. Paulo Sér­gio Bezerra durante sua caminhada sacerdotal junto a comunidade. A obra nasce da união de relatos, mensagens, poemas e reflexões de quem viu (e vê) a trajetória diária de Pe. Pau­lo ao lado de seu povo. São mais de 60 autores confidenciando a jornada radical pelo evange­lho de Jesus e uma incansável luta pela justiça social e pelos mais pobres. A escolha por uma igreja em saída e libertadora o transformou em uma liderança pelas periferias do mundo. Há 38 anos, suas homilias dão luz as celebra­ções da Paróquia Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera. A obra testemunha a história da igreja e dos movimentos populares das últi­mas quatro décadas vistas pelo olhar da vida de um homem dedicado ao próximo.

Ivan Zumalde

Querido Pe. Paulo,

Ao celebrarmos os seus 40 anos de vida presbiteral, apresentamos conversas, discursos, ideias, projetos, de uma vida vivida na radicalidade do evangelho, num compromisso ético de cuidado com a vida.

As pessoas que aqui escrevem assentaram nelas os seus gestos e seu corpo, em palavras que extraem o espírito de Deus em meio ao povo da Zona Leste de Itaquera. 

No testemunho de sua vida em meio a nós, há duas raízes da radicalidade evangélica: sonhos e utopias. Se não há sonho não é possível dizer a sua palavra. Se não há utopia é impossível construir sua história. Você, abriu caminhos costurando sonho a um povo renegado de seu direito humano, e teceu utopia nas voltas da organização da vida comunitária.

O cálice e o pão erguido durante décadas é a testemunha de seu amor doado, por Ele e pela gente – desconhecidos antes de nos encontrarmos -, mas aguardados em seu coração antes mesmo que chegássemos (Jeremias alguma coisa)

A necessidade do livro se descobre em suas próprias páginas, um registro fiel de dizer a história não contada em livros oficiais, mas como diz Walter Benjamin, ao nos debruçarmos sobre o contrapelo da história é possível reconhecer a energia vulcânica que é gestada todos os dias num lugar onde esperança é prova de amor maior que doar a vida pelo irmão e pela irmã.

Artesão da vida comunitária costurou-se junto, fazendo no dia-dia, uma pedagogia popular, onde povo não é categoria sociológica ou objeto de prateleira, e sim, ação corporificada pela vivência-ação num processo incompleto de encontro com a liberdade que começa nas lutas daqui e se dá na eternidade em Deus.

Obrigado.


Coordenação Paroquial de Pastoral